sábado, 20 de novembro de 2010

Crescimento populacional e qualidade de vida

O Senador Cristóvam Buarque publicou no Blog do Noblat artigo que merece a reflexão de todos nós, especialmente dos moradores naqueles municípios em que o Censo Demográfico acusou redução populacional, no exercício de 2010, em comparação com o Censo de 2000.

O primeiro sentimento é de decepção e rejeição aos os números do IBGE, porque essa redução, em alguns municípios, muda os índices do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), as vagas de vereadores nas câmaras municipais, o repasse e acesso a programas federais quando contingenciados a faixas-limite de habitantes, impactos no mercado de consumo de bens e serviços, desestímulo a investimentos imobiliários, entre outras possíveis consequências advindas da redução populacional.

Entretanto, a realidade pode ser diferente, se analisarmos outras variáveis, que normalmente requerem estudos aprofundados. Devemos verificar o perfil etário da população, a renda per capita e o poder de compra, a qualidade e abrangência dos serviços de saúde e educação ofertados; acesso e diversidade dos bens culturais, padrões de consumo da população, natureza e qualidade dos gastos público municipais, estrutura produtiva municipal, entre outras, além dos indicadores sociais oficiais medidores da qualidade de vida das populações.

Em síntese,  a redução populacional tem reflexos positivos ou negativos na qualidade de vida dos habitantes remanescentes?                                              

Artigo:

Gordura e crescimento
Durante séculos, acreditamos que as cidades ficavam melhores à medida que aumentavam. Faz pouco tempo, percebemos a necessidade de reduzir as cidades, para viver melhor fora das megalópoles. Já é possível ser mais feliz em cidades menores.
Também durante séculos, acreditamos que as mulheres e os homens gordos eram mais saudáveis e mais ricos, carregando no corpo as provas da riqueza, as lembranças do prazer de comer e o fim da angústia da fome. Hoje, pelo contrário, o símbolo da riqueza e da beleza é a esbeltez. Nas sociedades modernas, são os pobres que engordam; os ricos gastam fortunas para emagrecer.
Gordura e superpopulação deixaram de ser sinais de riqueza inteligente, tanto para cidades quanto para pessoas. Mas as pessoas ainda resistem em perceber que a gordura que as rodeia, na forma de bens, consumidos ou de patrimônio, não é mais sinal de riqueza inteligente.
Porque essa riqueza já não cabe no mundo. As cidades vivem com suas aortas entupidas de automóveis, a atmosfera envenenada por dióxido de carbono. O organismo social padece das doenças que convenceram as pessoas a reduzirem suas cinturas. Também porque a segunda lei da termodinâmica deixa claro que nada pode crescer infinitamente em um mundo finito, com recursos naturais esgotáveis.
Depois de dois séculos de civilização industrial, principalmente na segunda metade do século XX, e muito mais com a globalização das últimas décadas, o PIB se transformou no símbolo do avanço civilizatório. Não importa se a compra vai endividar, comprometer o consumo de coisas mais essenciais à família, tirar as crianças de uma boa escola.
Não importa também se as horas perdidas no trânsito aumentam, ou se os engarrafamentos consomem tempo de vida ou provocam angústias e perdas. Como o consumo de combustível eleva o PIB, o engarrafamento passa a impressão de que a sociedade está mais rica, apesar da diminuição da felicidade geral.
Na medida em que percebemos o "desvalor" dos bens que engordam as cidades e as casas, tomamos consciência da possibilidade e da conveniência de aumentar o bem-estar graças ao decrescimento da produção de bens materiais e privados, com aumento na oferta de bens e serviços públicos e culturais. Diante da crise ecológica previsível e das insatisfações sociais já sentidas, surgiu, especialmente na Europa, um movimento pelo "decrescimento-feliz".
O conceito de decrescimento, atualmente debatido na Europa, substitui a ideia do crescimento ilimitado pela meta de uma sociedade melhor, que consume menos. É claro que esse decrescimento não se aplica linearmente em um mundo onde 20% consomem 85% dos recursos naturais. Em consequência, 80% da população vivem com menos do que o necessário.
Em 1980, a Editora Paz e Terra publicou um livro com o título "Desordem do progresso — O fim da era dos economistas", logo traduzido em Londres com o título "The End of Economics".
Há poucas semanas, o jornalista Clóvis Rossi publicou um artigo com o título "Felicidade Nacional Bruta", em que comenta o movimento mundial em busca de um novo indicador para o progresso. O IDH — Índice de Desenvolvimento Humano — já é levado a sério. O governo francês pediu e já recebeu uma proposta, elaborada por economistas, visando a um indicador que substitua o PIB.
É inevitável que a ideia de decrescimento-feliz ganhe adeptos. Que se espalhe e seja aceita tanto quanto a ideia de crescimento dominou o século XX. Antes disso, poderá ser recusada e ridicularizada, assim como a industrialização enfrentou fortes resistências do mercantilismo e da fisiocracia.
Mas prevaleceu, porque representava a força do progresso. O decrescimento-feliz vai prevalecer graças à fragilidade da atual concepção de progresso para enfrentar a força da natureza e as insatisfações existenciais. Não deve demorar muito para que o crescimento econômico passe a ser visto com o desconforto que hoje recai sobre a gordura do corpo e o tamanho das cidades.

Cristóvam Buarque é Professor da Universidade de Brasília e Senador pelo PDT/DF

Um comentário:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Prezado engenheiro Vulmar Leite!
Muito oportuna sua iniciativa em trazer à baila esta reflexão, porque urge a necessidade de revermos nosso conceito de pujança atrelado a crescimento populacional.
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP