segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Eleições 2010 - Entrevista de José Serra

Reproduzo, abaixo, postagem do Blog do Políbio Braga, que julguei merecedora de reflexão:
  
Entrevista - Serra ampliará as conquistas da sociedade industrial, repartindo resultados.

Serra ampliará as conquistas da sociedade industrial, repartindo resultados Roque Callage, doutor em Ciências Sociais (Antropologia, Ciência Política e Sociologia).

Pela primeira vez nós temos um presidente que se empenha de modo vigoroso na campanha do seu candidato. É isto que causa tanta estranheza na oposição e tanta euforia na situação ?

Na Republica de 46, Vargas sinalizou amplamente que apoiava Dutra - que era um poste - e ele se elegeu por isto. O que ocorre agora é afronta às leis do País.A estranheza da oposição, decorre de sua incompreensão básica de como apontar esta ilegalidade para compreensão da população iletrada ou sub-letrada.

Até que ponto é bom ou ruim para a democracia, que presidentes do mesmo Partido prossigam dominando o governo por vários períodos ?

Não há mal nenhum quando governos parlamentaristas ficam vários anos até terem votos de desconfiança, até mesmo quando Roosevelt teve confiança da população por quatro mandatos.Mas isto é muito diferente, porque aí há vigilância constitucional.

O peso político de um presidente altamente popular, como é o caso de Lula, pode mesmo ser decisivo na eleição. Há limite de transferência ?

"O fato é que a oposição até agora não passou do percentual entre 35-37% semelhantes à ultima eleição (decididos a votar ) e Dilma anda em volta disto ( que decidiram votar nela). O resto é especulação."

Dá para dizer que Dilma e Serra são fiéis à sua origem e implementarão programas de esquerda no governo ?

Serra, sem dúvida avançou bem mais na compreensão de mundo a partir dos seus valores iniciais. Isto significaria uma esquerda pós-industrial,ambiental e laboratorial, ampliando conquistas da sociedade industrial, repartindo resultados.Dilma representa setores tradicionais corporativistas do antigo sindicalismo industrial e do antigo desenvolvimentismo de 1930, resistentes a enxergar o mundo pós-1990.

Os trabalhadores e os empresários devem temer algum deles e por que razão ?

Os trabalhadores de conhecimentos técnicos de segundo grau completo, os de conhecimento universitário e os empresários industriais poli-especializados, interessados em ampliar especializações e dividir resultados da produção, devem ver com preocupação uma eventual vitória de Dilma. Seria uma rota programática errada tanto para o que se chama de novo desenvolvimentismo pós-keynesiano, como para a revolução de capital humano que está transcendendo os limites tradicionais de luta de classes.

Um comentário:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Prezado engenheiro Vulmar Leite!
Antes de tecer considerações deixo registrado que não sou filiado a nenhum partído político.
Não votarei, no dia 03 de outubro de 2010, se ainda estiver aqui, DE JEITO NENHUM na candidata indicada pelo Timoneiro Mor em exercício, porque além de não me inspirar nenhum resquício de confiança não tem o carisma, a competência técnica e política do candidato, o economista José Serra.
Quero ver a hora dos debates televisivos, porque ficará patente o preparo e a postura de estadista do economista José Serra! Enquanto a outra candidata...
Calorosas saudações SERRISTAS!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP