sexta-feira, 8 de abril de 2011

Menos sal nos alimentos industrializados


Enfim, uma boa notícia na área da saúde! Haverá redução na adição de sal em 16 produtos alimentícios industrializados de largo consumo humano. Confira, abaixo, os detalhes do acordo firmado pelo Ministério da Saúde com setores da indústria alimentícia, publicado no Estadão. Infelizmente, as medidas irão entrar em vigor de forma gradativa. Somente a partir de 2012 é que, de fato, começará a diminuição dos teores de sódio nos nossos alimentos processados nas padarias, pastifícios e outros estabelecimentos congêneres, prolongando-se até 2020.

Brasil vai reduzir teor de sódio dos alimentos


"A indústria alimentícia e o Ministério da Saúde firmaram ontem um termo de compromisso de redução gradual na quantidade de sódio de 16 tipos de alimentos. As primeiras reduções vão ocorrer com massas instantâneas, pães e bisnaguinhas, a partir de 2012. Massas instantâneas deverão ser produzidas a partir do ano que vem com teor de sódio 30% menor do que o atualmente apresentado. Pães e bisnaguinhas virão com redução de 10%. O cronograma prevê diminuição do uso do sódio até 2020.
Segundo o Ministério da Saúde, o brasileiro consome, em média, 9,6 gramas diárias de sal. A Organização Mundial da Saúde recomenda que consumo máximo não ultrapasse 5 gramas diárias. O excesso de sal na dieta está associado a maior risco de doenças como hipertensão, problemas cardiovasculares, renais e cânceres.
Atualmente, cada 100 gramas de macarrão instantâneo produzido no Brasil apresenta entre 2.036 e 4.718 miligramas de sódio. No Canadá, a média de sódio é de 926,9 miligramas a cada 100 gramas do produto. No caso do pão de forma, os índices dos produtos brasileiros também são expressivamente maiores. Enquanto no Canadá a média varia de 361 a 526 miligramas de sódio a cada 100 gramas do alimento, no Brasil, a mesma quantidade do produto traz entre 437 e 796 miligramas.
A implementação do acordo será acompanhada pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ao longo do processo, o governo deverá fazer estudos para avaliar os reflexos da redução nos indicadores da saúde.
O presidente da Associação Brasileira de Indústrias de Alimentação, Edmundo Klotz, afirmou que ainda não foi avaliado qual será o impacto no sabor da redução de sódio dos produtos. Ele disse estar convicto, no entanto, de que alternativas adequadas serão encontradas. "Já fizemos isso com relação à gordura trans", lembrou. Um acordo firmado entre 2007 e 2010 permitiu a redução de 230 mil toneladas da substância - associada a um maior risco de doenças cardiovasculares - a alimentos industrializados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo."

Não sabemos quanto consumimos de sal diariamente, apenas controlamos o que usamos em casa na preparação de alimentos naturais. Os pães, massas, embutidos, conservas, molhos, lácteos, doces e outros, que fazem parte da nossa dieta, contém teores variáveis de sódio,  utilizado de forma regular e legal como conservante para proteger esses alimentos dos processos naturais de decomposição, e com isso ampliar o prazo de validade para fins comerciais.
Essa medida, adotada pela ANVISA, vem em boa hora, porque, além de promover reduções dos níveis de sal nos alimentos industrializados, também serve de alerta à população quanto aos cuidados que deve observar na escolha de produtos nas prateleiras dos mercados, adotando hábito saudável de sempre verificar as informações nutricionais do fabricante que estão estampadas nas embalagens. No caso das padarias, precisamos confiar nos padeiros.

Um comentário:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Prezado engenheiro Vulmar Leite
Enfim um fato alvissareiro!
Saudações desconfiadas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP